Notícias

Pontos-chave e tendências para os meios de comunicação em 2020

Existem certos pontos-chave e tendências que definirão o futuro dos meios de comunicação durante o ano de 2020.

O setor dos meios de comunicação está imerso num panorama mutável e em constante evolução. Desde há alguns anos, experimenta a necessidade de se reinventar e desenvolver a sua atividade seguindo diferentes vias. Na Protecmedia, quisemos resumir os pontos-chave e tendências comuns que, pese a diversificação, condicionarão a sua atividade durante os próximos doze meses. Registe!

Modelos de assinatura

Ao que parece, durante o ano de 2020, acabará de se definir a evolução dos meios em relação aos modelos de assinatura: que tipo de `paywalls´ estabelecer, como definir a estratégia de conteúdos para que o leitor tome a decisão de optar pelo `paywalls´, como fidelizar os assinantes, etc. No ano passado, alcançou-se o auge na adoção deste tipo de modelos por parte de um número destacado de diários, fenómeno que coincidiu com a estagnação nos resultados dos que já vinham a desenvolver esta atividade há vários anos.

Oferecer informação ao público de forma aberta através dos diários digitais levou a que, entre outras consequências, a informação esteja condicionada pela publicidade e pelos anunciantes, algo que, inevitavelmente, afetou a qualidade das publicações. A consolidação dos `paywalls´será decisiva para contrariar esta tendência e devolverá o protagonismo, tanto aos meios, como aos leitores nas decisões da linha editorial.

O desafio contra as fake news

A luta contra as ‘fake news’ é uma questão de importância vital para as instituições, meios de comunicação, empresas e marcas. As principais empresas, como a Google ou a Twitter, envidam grandes esforços para detetar e eliminar informação falsa e priorizar a de maior qualidade. A utilização de algoritmos artificiais de 'machine learning' e de redes de verificação de dados são ferramentas que ajudam os meios a combater a desinformação e a gerar confiança e credibilidade entre a sua audiência.

Nas redações, será primordial oferecer toda a confiança possível aos utilizadores, proporcionando informação verificada e de qualidade em cada notícia e artigo que se publique e sendo transparentes nos processos de trabalho.

O telemóvel será o suporte protagonista

Durante o ano de 2019, nos Estados Unidos, a utilização do telefone móvel superou, pela primeira vez, o consumo de televisão. Em 2014, um adulto médio ainda via, em média, quase mais duas horas de televisão do que utilizava o seu telefone móvel. Além disso, desde 2010, tem sido o único suporte que tem crescido, tanto em investimento publicitário, como em tempo despendido pelos utilizadores.

Cabe destacar o papel das ‘stories’ como o formato mais bem sucedido e de maior projeção futura na experiência móvel. Trata-se de peças audiovisuais de conteúdo rápido e de carácter efémero que começaram no Snapchat e se popularizaram através do Instagram. Cada vez mais meios de comunicação, como o Paris Normandie ou o New York Times, têm em conta esta alternativa como um canal de difusão essencial. Além disso, a possibilidade que oferecem de incluir ligações diretas a websites externos mediante a funcionalidade ‘swipe up’ é uma das grandes possibilidades para explorar a chegada de novos assinantes.

Seguindo esta tendência e atendendo ao êxito que a plataforma TikTok tem vindo a experimentar, não parece arriscado considerar esta rede social, durante o ano de 2020, como uma grande aposta para levar a cabo ações inovadoras que permitam aos meios conectar com a audiência millenniale centennial.

A explosão dos podcast

A empresa de estudos de mercado Forrester lançou em novembro de 2019 o seu relatório Predictions 2020 (paywall), cujos dados evidenciam que os podcast serão fundamentais no futuro dos meios de comunicação. Com efeito, a quota de audiência deste tipo de formato nos Estados Unidos duplicou nos últimos cinco anos e verifica-se um aumento notório no investimento em conteúdos e publicidade por parte dos principais meios de comunicação.

O Spotify acaba de anunciar o lançamento da sua própria plataforma de publicidade para podcasts Spotify Podcast Ads, com tecnologia Streaming Ad Insertion (SAI). A SAI permitirá a inserção de publicidade segmentada ao detalhe, relevante e interativa para o utilizador e com resultados mensuráveis para o anunciante.

O êxito dos podcasts reside no protagonismo adquirido pelo utilizador, dado que é este que procura o que quer ouvir no momento que desejar. Também é uma via com a qual os meios de comunicação contam para atrair assinantes, dado que já há quem tenha começado a lançar modelos de assinatura com uma programação exclusiva.

Este tipo de formato, além disso, está em sintonia com a luta contra as ‘fake news’, pois não dá lugar a conteúdos ágeis de manipulação fácil, como pode ser um tweetcom uma imagem chamativa ou, inclusivamente, uma mensagem de Whatsapp.

Contar histórias seguindo uma estrutura tradicional

Num contexto em que oscroll infinito está omnipresente e no qual os dados informativos mostram ao detalhe a atualidade de uma notícia, parece que a procura de informação está a dar valor às notícias e artigos nos quais se apresenta o contexto da informação e que são narrados segundo uma estrutura de apresentação, desenvolvimento e final. Desta maneira, os utilizadores satisfarão o desejo de se atualizarem sobre um tema e não experimentarão a sensação de ter chegado a uma notícia a meio da história sem conhecer os antecedentes do que estão a ler.

Tecnologia como pilar fundamental

Num setor tão mutável, serão os meios com capacidade para se antecipar e adotar as tendências rápida e eficazmente que verão resultados proveitosos. Por este motivo, são cada vez mais os meios que apostam em incluir e atualizar ferramentas de gestão do trabalho: sistemas de CRM, ferramentas de seguimento de clipping, sistemas de mapeamento de interesses, portais que reúnem as publicações de maior interesse para as redações, etc. Convertem-se, assim, em recursos essenciais para agilizar o trabalho diário e melhorar a capacidade da empresa para seguir uma estratégia de acordo com a sua atividade e objetivos.

No fim de contas, a utilização de boas ferramentas que permitam otimizar os processos de trabalho, alcançar uma maior audiência e conhecê-la melhor é um fator fundamental que tem vindo a marcar a diferença nos resultados dos meios de comunicação.